Sustentabilidade

Frente ao contexto de crescente degradação ambiental, passa a ser primordial que as organizações entendam a sustentabilidade como uma questão estratégica, intrinsecamente ligada ao seu dia a dia. Esta abordagem não admite tratar tal temática apenas nas operações empresariais, pois afinal trata-se de uma questão que envolve a manutenção da vida, e que está presente no cotidiano de nossa sociedade.

Diante deste desafio, o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, estabeleceu como objetivo mobilizar a comunidade empresarial internacional para a adoção em suas práticas de negócios, de valores aceitos nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção, refletivos em dez princípios e intitulado de “Pacto Global”.

Para serem sustentáveis, as organizações buscam na inovação dos produtos e processos produtivos, dentro de seus processos e em sua cadeia de fornecimento, uma das soluções para manter-se no mercado global competitivo, reduzirem custos, usarem com eficiência os recursos naturais, serem sustentáveis e fazerem frente as regulamentações e normas internacionais. A sustentabilidade como estratégia das organizações, ou práticas sustentáveis empresariais, baseia-se na geração de valor sem degradação dos recursos ambientais.

A seguir, trechos da Declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente (Estocolmo, 1972), parágrafo 6:

Chegamos a um ponto na História em que devemos moldar nossas ações em todo o mundo, com maior atenção para as consequências ambientais. Através da ignorância ou da indiferença podemos causar danos maciços e irreversíveis ao meio ambiente, do qual nossa vida e bem-estar dependem. Por outro lado, através do maior conhecimento e de ações mais sábias, podemos conquistar uma vida melhor para nós e para a posteridade, com um meio ambiente em sintonia com as necessidades e esperanças humanas (UNIDAS, 2017).

O termo “Sustentabilidade”, é apresentado oficialmente em 1987 na Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD), da Organização das Nações Unidas (ONU), sendo presidida pela ex-primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland. Definido como “[...] a capacidade de satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem suas próprias necessidades”

Acreditando que o desenvolvimento sustentável, que implica satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades, deve se tornar um princípio orientador central das Nações Unidas, governos e instituições privadas, organizações e empresas (NATIONS, 1999, p. 1, traduzido pelo autor).

Algumas práticas sustentáveis da Giovanni Passarella:

  • Diminuição no uso de papel na produção;
  • Troca de lâmpadas por LED.
  • Aumentar número de janelas para aproveitar luz solar;
  • Eliminação de copos descartáveis;
  • Logistica reversa;
  • Embalagens retornáveis;
  • Compartilhamento de custos de desenvolvimento de software com outras empresas;
  • Controle de consumo de energia elétrica e água;